Varejo inteligente: 6 aplicações que podem transformar seu negócio

6 aplicações de varejo inteligente que podem transformar seu negócio

Vivemos uma nova era no varejo. O aumento da concorrência, o acesso fácil dos consumidores a produtos de qualquer região do planeta e os avanços tecnológicos criam um novo ambiente, no qual o uso de dados e a personalização da experiência do cliente passam a ser fundamentais.

Essa nova era do varejo tem vários nomes: New Retail, Varejo 4.0, Varejo Inteligente. Mais importante que o título é o que ele representa. Trata-se do varejo que une os ambientes online e offline e entrega experiências personalizadas para cada cliente de acordo com sua necessidade e missão de compra. Para que isso seja possível, é preciso ter a tecnologia como principal aliada. Somente empresas que digitalizarem suas operações e reinventarem seus modelos de negócios para lidar com as exigências dos consumidores conseguirão sobreviver nesse novo cenário.

O caminho para a transformação digital é longo e depende de uma mudança de cultura nas empresas, mas é absolutamente necessário. Nesse caminho, você precisará adotar uma série de tecnologias. Não pela tecnologia em si, mas pelos benefícios que elas trazem e pela oportunidade que elas oferecem de entender os clientes e personalizar o relacionamento com o consumidor.

Entre essas aplicações do Varejo Inteligente, podemos citar:

1 – Inteligência Artificial

De acordo com o Global Market Insights, os investimentos em Inteligência Artificial no varejo ultrapassarão US$ 8 bilhões em 2024. Machine learning, análises preditivas e deep learning são algumas expressões que passam a fazer parte do vocabulário das empresas que lideram a disrupção do varejo global. A Inteligência Artificial abre uma série de novas possibilidades no varejo e vemos uma quantidade cada vez maior de aplicações já em operação nas empresas: assistentes virtuais, sistemas de previsão de estoque, análise comportamental dos clientes e chatbots são apenas alguns exemplos.

2 – Reconhecimento facial e de voz

Tecnologias de reconhecimento facial e de voz já estão presentes no dia a dia das pessoas. Siri, Alexa, Google Home, Facebook, Instagram e Snapchat são exemplos de sistemas que fazem parte do cotidiano e se baseiam nesses recursos para entregar melhores experiências e relacionamentos. No ano que vem, mais de um bilhão de celulares no mundo contarão com tecnologia de reconhecimento facial. O varejo está se aproveitando da rápida evolução para identificar os consumidores no PDV (como acontecerá em breve em lojas da rede Pão de Açúcar em São Paulo, ou já ocorre em farmácias na China) e melhorar a experiência oferecida a eles, da identificação à entrega de ofertas, passando pelo sortimento no PDV.

O reconhecimento por voz permite o desenvolvimento do Voice Commerce, um mercado que poderá explodir nos próximos anos. O estudo Future Shopper mostra que 55% dos consumidores se sentem confortáveis em usar assistentes de voz para compras e estimativas indicam um mercado da ordem de US$ 50 bilhões em 2022. Com a rápida disseminação do Amazon Echo e do Google Home nas residências em todo o mundo, o varejo precisará lidar com um novo canal de contato com o cliente. Um canal de um terceiro (o fabricante do hardware), sobre o qual o varejo terá influência limitada.

3 – Cross border

O varejo é mundial. Seus concorrentes estão em todo lugar do mundo. Uma prova disso é o fato de que o chamado e-commerce cross border movimentou US$ 2,1 bilhões no ano passado no Brasil e 23,1 milhões de pessoas compraram pelo menos uma vez em sites estrangeiros (principalmente AliExpress e Amazon). As compras em sites estrangeiros movimentaram um valor superior a todas as vendas online da região Nordeste do Brasil em 2018. A concorrência é global e os consumidores comparam a experiência que têm no seu site com a experiência oferecida por gigantes globais. A exigência é maior a cada dia.

4 – Cloud Computing

Investimentos em tecnologia são uma parte fundamental da corrida para acompanhar a evolução rumo ao Varejo Inteligente. A tecnologia de computação em nuvem se transformou em uma grande aliada, pois transforma os investimentos em compra de equipamentos em despesas com serviços. Na prática, isso significa que passa a ser possível utilizar aplicações e infraestrutura de acordo com a necessidade, sem manter equipamentos ociosos à espera de momentos de pico.

Para a McKinsey, o potencial da nuvem é muito maior que a redução de custos operacionais. A personalização da experiência de compra do consumidor, a precificação correta dos produtos, a gestão de programas de fidelidade, a visão do estoque em tempo real em múltiplos canais, a logística omnichannel e a otimização dos estoques na cadeia de suprimentos são alguns pontos nos quais o uso de cloud computing traz grandes vantagens para as empresas varejistas.

5 – Pagamentos mobile

Na China, esse é um mercado que saiu do zero para US$ 5 trilhões em menos de uma década. No mundo, alcançará US$ 14 trilhões em 2022. O uso de carteiras digitais e smartphones para o pagamento de compras está se tornando cada vez mais frequente em todo o mundo. No mercado chinês, isso praticamente significou o fim do dinheiro vivo. Nos Estados Unidos, um quarto dos consumidores já paga compras por meio dos celulares. No Brasil, de lanchonetes a shopping centers, a tecnologia já está disponível por toda parte.

Pagamentos por meio de aplicativos não representam somente uma fonte de receita financeira: eles também são uma forma de coletar mais dados sobre os consumidores e entender o que compram, onde e quando.

6 – Inteligência Analítica

O ponto de convergência de todas as tecnologias citadas acima é a Inteligência Analítica. De nada adianta coletar dados dos clientes, contar com infraestrutura na nuvem para reduzir os custos das transações ou adotar reconhecimento facial se essas informações não se tornam um ativo importante para compreender melhor os consumidores e antecipar suas necessidades e desejos. Se data is the new oil, não basta somente extrair o petróleo bruto: é preciso refiná-lo para gerar o combustível que movimenta seus negócios.

Isso se faz com Inteligência Analítica. O varejo que conta com sistemas de análise de dados consegue obter informações de performance e recomendação automática de compra para melhorar o sortimento de cada PDV. Também consegue compreender com precisão quais são os produtos que geram margem para o negócio, quais funcionam para atrair os clientes e qual deve ser a precificação de cada item em cada mercado, considerando a elasticidade de preços, a demanda dos consumidores e as condições da concorrência.

Com isso, o varejo também se torna capaz de entender, predizer e reagir ao comportamento dos consumidores em tempo real, de forma automatizada, alavancando o desempenho de milhares de SKUs na loja e ampliando as vendas e a rentabilidade.

O Varejo Inteligente é o varejo capaz de utilizar os dados dos clientes para interagir e entregar o que o consumidor precisa, no momento certo. Um varejo absolutamente eficiente. Esse é o varejo do futuro, e a hora para preparar esse futuro é agora.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer se juntar a discussão?
Sinta-se à vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *